was successfully added to your cart.

A SALA DE SAPATILHAS DO NEW YORK CITY BALLET

By March 26, 2018Journal
A SALA DE SAPATILHAS DO NEW YORK CITY BALLET

A SALA DE SAPATILHAS DO NEW YORK CITY BALLET

A sapatilha de ballet é elemento fundamental para a dança do ballet clássico e muitos dos bailarinos a considera, praticamente, uma extensão do próprio corpo, dando a ilusão de que a dança na ponta dos pés é algo natural ao ser humano. Além disso, a sapatilha influencia diretamente o desempenho da bailarina: se o sapato não for o correto, a bailarina não consegue fazer o seu trabalho da melhor forma.

Por isso, nas grandes companhias de ballet, o cuidado com os calçados se torna algo de extrema importância. O New York City Ballet, por exemplo, tem um espaço, no porão do David H. Koch Theater, no Lincoln Center, destinado a abrigar cerca de seis mil pares de sapatilhas de ponta, cuidadosamente empilhadas em prateleiras que chegam até o teto.

Apesar de escondida do grande público, essa sala de sapatilhas do New York City Ballet é um dos lugares mais importantes para os membros da companhia. É lá que os bailarinos, frequentemente, vão para procurar o par ideal para suas performances especiais. Alguns também tem a chance de encomendar sapatilhas feitas sob medida, que na maior das vezes são fabricadas por artesãos ingleses e importadas de Londres.

Segundo a supervisora do setor de calçados e ex-diretora do Ballet Northwest, Linnette Roe, as dançarinas de NYCB passam por 9.000 a 11.000 pares de sapatos por ano- incluindo sapatos baixos, tênis, sapatos de jazz e sapatos de personagens. A empresa tem um orçamento anual de cerca de U$780mil destinado aos calçados.

Todas as bailarinas da companhia recebem uma coluna vertical de prateleiras para seus sapatos de ponta, que são mantidos em sacos plásticos para (acreditem ou não) serem protegidos de insetos.

Sem limites de pares de sapatos que podem pedir, cada bailarina tem um “arquivo de sapato”, com planilhas detalhando todas as mudanças que fizeram nas suas encomendas ao longo do tempo. “Algumas bailarinas consertam constantemente – subindo ou descendo um quarto do tamanho, experimentando novos fabricantes, removendo os pinos do calcanhar”, diz Linnete Roe em reportagem ao Dance Spirit. E ela ainda conta que solicitação de personalização mais comum é ajustar a altura do cetim nas laterais dos sapatos.

Curiosamente, a cada ano, as bailarinas usam de 500 a 800 pares de sapatilhas em O Quebra Nozes, mas essa montagem não é a que mais gasta sapatos. “Em duas semanas de O Lago dos Cisnes usam mais sapatos do que seis semanas de O Quebra Nozes” diz Roe. “São todas da companhia em ponta durante todo o espetáculo”.

Imagina, bailarinas, ter uma infinidade de sapatilhas de pontas para escolher? Incrível!!

 

Foto: Tess Mayer

Leave a Reply