was successfully added to your cart.

OS PAPÉIS DE GÊNERO NO BALLET

By October 24, 2017Journal
Os papeis de gênero no ballet

OS PAPÉIS DE GÊNERO NO BALLET

No início do mês, o coreógrafo do American Ballet Theatre (ABT) Alexei Ratmansky publicou em sua página no Facebook a foto de uma bailarina erguendo um bailarino sobre sua cabeça (fazendo o porté) com a seguinte afirmação: “desculpe, não há igualdade no ballet: as mulheres dançam na ponta, homens levantam e apoiam as mulheres. As mulheres recebem flores, os homens escoltam as mulheres fora do palco, não o contrário (eu sei que há algumas exceções). E eu estou muito confortável com isso”.

Apesar do meu profundo respeito pelo legado de Ratmansky na dança, eu discordo do posicionamento dele. A meu ver, a arte, de uma maneira geral, precisa dialogar com a contemporaneidade e, em muitos casos, antever mudanças sociais importantes. Vivemos um tempo em que assuntos como feminismo e a discussão sobre o que é gênero estão presentes no cotidiano das pessoas e o ballet, enquanto expressão artística, não pode deixar de posicionar a respeito.

Não à toa, a declaração dele gerou um debate intenso com outros profissionais do universo da dança, rendeu uma matéria na Dance Magazine e trouxe à tona outras importantes reflexões sobre o universo do ballet, como a falta de coreógrafas mulheres, de bailarinos negros e de espetáculos que discutam a questão de gênero e abordem a homoafetividade, por exemplo.

Por que não invertermos os papéis de gênero no ballet de repertório? Alguns poderão dizer que é impossível por se tratarem de obras muito datadas em que as características dos personagens são bastante definidas e quase nada flexíveis. Mas a companhia norte-americana Les Ballets Trockadero de Monte Carlo tem feito um trabalho notável nesse sentido. Ao reencenar clássicos como O Lago dos Cisnes e Dom Quixote tendo apenas homens no elenco interpretando todos os papéis, o grupo vem se destacando pelo humor (sua marca registrada), mas também pela técnica apurada, pela graciosidade dos movimentos e, principalmente, pela proposta inovadora na apresentação.

É válido lembrar que a discussão de gênero no universo da dança não é uma novidade: Eugénie Fiocre, primeira bailarina da Opera de Paris, por exemplo, interpretou o personagem Franz na montagem de Coppélia em 1870. A recepção foi tão positiva que o personagem seguiu sendo interpretado por mulheres até a Segunda Guerra Mundial.

Acredito que Ratmansky tem o direito de não aceitar que bailarinas levantem seus parceiros ou que bailarinos dancem na ponta em suas obras. Ele, enquanto coreógrafo, deve ter a liberdade para se expressar da maneira que achar mais adequada nos projetos em que está à frente. A questão aqui é que ao se posicionar publicamente dessa forma ele limita as possibilidades de criação do ballet e sugere que ninguém deveria experimentar outras formas de apresentação na dança. Felizmente, há muita gente pensando diferente dele 🙂

Na minha opinião, precisamos incluir bailarinos de todas as identidades, raças e gêneros para mostrar que todas as pessoas são bem-vindas na modalidade artística. Mais que isso: devemos exercitar as mais diferentes formas de apresentação, incluindo a inversão dos papéis de gênero. O ballet é uma arte linda, versátil e criativa demais para se limitar.

Foto: Arquivo Mariinsky Theatre

Leave a Reply