was successfully added to your cart.

A VERSATILIDADE DO COLON THEATER BALLET

By September 11, 2017Journal
the colon theatre ballet

A VERSATILIDADE DO COLON THEATER BALLET

A história do ballet sempre está intimamente relacionada com a Europa, mas também temos nossas raízes latinas que acredito que devemos explorar. Quero falar hoje um pouco sobre o Colon Theater Ballet, companhia que fica em Buenos Aires, Argentina e que produz espetáculos grandiosos, visualmente impressionantes e com técnica impecável.

O Colon Theater foi criado em 1908, sendo a maior sala de concerto da América do Sul, mas somente em 1925 a companhia de ballet foi criada, tornando-se também a mais antiga da América do Sul. Antes mesmo da criação da companhia o teatro já recebia vários espetáculos europeus famosos; inclusive a última apresentação do incrível Vaslav Nijinsky aconteceu no Colon em 1911, onde apresentou Le Spectre de la Rose e Petrushka.

Entre as décadas de 1930 e 1940 a companhia passou a se desenvolver em larga escala, quando buscando refúgio temporário da guerra que acontecia na Europa, muitos bailarinos russos foram para a Argentina. Durante as décadas seguintes, a Colon Theater Ballet continuou a receber grandes nomes, como o emblemático Rudolph Nureyev, mas sofreu um grande revés em outubro de 1971: dez dos seus melhores bailarinos morreram em um acidente de avião enquanto viajavam para a cidade de Trelew, onde fariam uma apresentação.

A retomada aconteceu com nomes como Maximiliano Guerra, Paloma Herrera e Julio Bocca, que retornam à Argentina após temporadas no exterior e passam a focar nos jovens bailarinos argentinos em 1990.

O ballet argentino tem a seu favor uma intensa adaptabilidade, segundo Guerra: “Meu professor, Vasil Tupin, ensinava a técnica francesa, com vários pequenos saltos e batidas, e na escola eles ensinavam a técnica russa. Então, quando eu cheguei em Londres foi fácil para dançar Bournonville. E quando fui convidado ao Bolshoi, eu tinha a força e a massa muscular para dançar lentamente, da maneira que os russos fazem”.

Entre os bailarinos argentinos que alcançaram fama no exterior estão Olga Ferri, Esmeralda Agoglia, Antonio Truyol, Enrique Lommi, Vasil Tupin, Adela Adamova, Irina Borowska, Mercedes Serrano, Violeta Janeiro, José Zartmann, Liliana Belfiore, Iñaki Urlezaga e Luis Ortigoza, nomes que certamente aparecerão por aqui em algum momento.

Paloma Herrera, cuja carreira se deu como bailarina principal por 24 anos no American Ballet Theatre (ABT), aposentou-se em 2015, assumindo neste ano a direção artística do Colon. Abaixo vocês assistem um vídeo com trechos da montagem “O Lago dos Cisnes“, já com direção de Herrera. É incrível!

Foto: Maximo Parpagnoli

Leave a Reply