was successfully added to your cart.

NATALIA MAKAROVA

By July 14, 2017Journal
NATALIA MAKAROVA

NATALIA MAKAROVA

A BAILARINA DE MULTITALENTOS

Versatilidade. Essa talvez seja a melhor definição para Natalia Makarova, uma lenda viva do ballet que, ao longo de sua trajetória profissional, atuou com êxito em funções como bailarina, atriz e coreógrafa.

Natural da Rússia, começou a estudar ballet aos 13 anos no Kirov Ballet School e, graças ao seu brilhante desempenho, garantiu seu no ingresso no prestigiado Kirov Ballet, em 1959, como primeira-bailarina.

Em 1970, durante uma turnê com o Kirov Ballet, pediu asilo na Inglaterra, em busca de novos desafios profissionais. No mesmo ano, passou a integrar o American Ballet Theatre (ABT), atuando na adaptação de Giselle
onde foi considerada a melhor bailarina a interpretar a personagem. Dois anos depois, começou a trabalhar com o Royal Ballet de Londres, companhia pela qual apresentou vários espetáculos e na qual ficaria até o fim da década de 1980.

No ano de 1980, fez o ABT se tornar a primeira companhia ocidental a montar na íntegra O Reino das Sombras, da obra La Bayadère, de Sergei Kuschelok e Marius Petipa. Por conta do sucesso da adaptação, foi convidada a remontar a obra em companhias ao redor do mundo, como a La Scala, de Milão, o Ballet de Santiago, no Chile, o Teatro Colón, em Buenos Aires, e o Municipal do Rio de Janeiro.

Em 1989, voltou à Rússia e se tornou a primeira bailaria exilada a ser convidada para se apresentar no país. Além de Giselle, foi premiada por suas interpretações de outros clássicos, como O Lago dos Cisnes e A Bela Adormecida. Atuou também no teatro e na TV e foi premiada com um Tony de melhor atriz pela sua participação no musical da Broadway, On Your Toes, em 1983, e indicada ao Emmy, em 1986, pelo documentário da BBC Ballerina, escrito e narrado por ela.

Aposentada dos palcos há alguns anos, Natalia hoje atua nos bastidores produzindo espetáculos para as maiores companhias de ballet do mundo. Reconhecida e celebrada pelo seu perfeccionismo, defende que uma bailarina deve equilibrar a beleza e a suavidade dos movimentos com a intensidade dramática da coreografia.

Algo que não é fácil de alcançar, mas que faz do ballet uma das mais belas expressões artísticas e a minha grande paixão. Viva Natalia Makarova, uma verdadeira inspiração!

 

Foto: Max Waldman

Leave a Reply